Hipoglicemia: como tratar e evitar?

A hipoglicemia é a complicação aguda mais frequente em indivíduos com DM1, e pode ocorrer também no DM2, sobretudo em pacientes tratados com insulina. É definida como a queda da concentração de glicose para valores inferiores a 70mg/dL e é um dos grandes limitadores no manejo do controle glicêmico para estes pacientes. 

Os sintomas da hipoglicemia incluem: tremor, suor, calafrios, confusão mental, tontura, taquicardia, fome, náusea, sonolência, visão embaçada, dor de cabeça, sensação de formigamento e em casos mais graves convulsões e inconsciência. É importante destacar que alguns pacientes podem apresentar falta de reconhecimento de sintomas, sobretudo em pacientes com DM1 de longa data, e por isso a monitoração da glicemia é fundamental para detecção da hipoglicemia. 

A hipoglicemia pode ser classificada em nível 1, com valores entre 54 e 70mg/dL, hipoglicemia nível 2, com valores entre abaixo de 54 mg/dL ou hipoglicemia nível 3, ou severa, caracterizada por alterações mentais ou estado físico que exijam assistência para o tratamento. 

O tratamento da hipoglicemia deve ser realizado com 15 gramas de carboidrato simples, ou cerca de 0,3g de carboidratos por kg de peso para crianças. Após corrigir a glicemia, o paciente deve aguardar 15 minutos para verificar novamente a glicemia. Se a glicemia se mantiver baixa, o paciente deve ser orientado a repetir o tratamento. Pacientes que apresentam hipoglicemia nível 2 devem consumir 30g de carboidratos, e no caso de redução do nível de consciência não se recomenda a oferta de líquidos. O glucagon pode ser prescrito para hipoglicemias nível 2 ou 3, e os indivíduos que convivem com os pacientes devem ser orientados sobre como realizar sua administração caso necessária, uma vez que esta administração não precisa ser limitada a profissionais de saúde. Hipoglicemia de nível 3 pode necessitar de intervenção da emergência médica. 

O tratamento deve ser feito com carboidratos simples consumidos isoladamente, sem associar fibras, proteína ou gordura, que podem retardar o esvaziamento gástrico e consequentemente a correção da glicemia. Esta contraindicação inclui alimentos usualmente utilizados, como chocolate, leite, doce de leite, biscoitos recheados e alimentos integrais. Os carboidratos simples mais indicados são o açúcar, balas moles, mel, sucos de frutas concentrados e refrigerantes não dietéticos. É importante que o paciente disponha sempre destes alimentos para correção da hipoglicemia. 

Para prevenção de uma nova crise de hipoglicemia o paciente deve ser orientado a, após normalizar a glicemia, realizar um lanche caso a próxima refeição não esteja planejada para acontecer no período de uma hora, ou antecipar esta. A composição da refeição que visa prevenção da hipoglicemia deve incluir fibras (neste momento sim os integrais são válidos), proteína (como leite, ovos, queijos, iogurtes ou carnes) e gorduras de boa qualidade (como azeite de oliva, castanhas e abacate). Estes alimentos combinados também são boas opções para ceia para pacientes que fazem hipoglicemia noturna, ou como lanches antes de praticar exercício físico ou antes de algum horário em que o paciente apresente hipoglicemia com frequência. 

Além da importância da identificação e tratamento das hipoglicemias, é fundamental destacar a importância de evitar estes eventos. Hipoglicemias recorrentes, sobretudo de nível 2 ou 3, exigem intervenção médica para ajuste de medicação, intervenção comportamental ou assistência com dispositivos de tecnologia para prevenção e identificação. Os pacientes também devem saber reconhecer situações que aumentam o risco de hipoglicemias, como jejum, exercícios intensos e atraso nas refeições. 

Com relação a alimentação e a prevenção de hipoglicemia, é fundamental que as refeições estejam de acordo com o tratamento medicamentoso, principalmente em pacientes em uso de insulina. As orientações nutricionais que buscam evitar a hiperglicemia pós prandial, como consumo adequado de carboidratos, tanto em quantidade como em qualidade, e a associação com fibras, proteínas e gorduras de qualidade podem também contribuir para redução do risco de hipoglicemia.  

  1. American Diabetes Association Diabetes Care 2020 Jan; 43(Supplement 1): S48-S65.  Medical Nutrition Therapy: Standards of Medical Care in Diabetes—2020. 
  2. Princípios gerais da orientação nutricional no diabetes mellitus. In: Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes 2019-2020. São Paulo: Editora Clannad, 2019.
Dra Leticia Fuganti Campos
  • Nutricionista e membro de Departamento de Nutrição da SBD.
  • Doutora em Clínica Cirúrgica (UFPR)
  • Mestre pela Faculdade de Medicina da USP
  • Pós-graduada em Nutrição Clínica (GANEP) e em Educação em Diabetes (UNIP), com treinamento pelo Joslin Diabetes Center – Harvard.
  • Presidente do Comitê de Nutrição da BRASPEN-SBNPE.