Saúde intestinal e imunidade

A ciência vem realizando importantes descobertas sobre a importância do intestino como órgão e sua relação com os demais sistemas do organismo, como o sistema nervoso, endócrino e imunológico. Por isso, mantê-lo saudável é manter o equilíbrio entre as bactérias ali presentes, favorecendo a absorção de nutrientes e promovendo benefícios à saúde num todo.

O desequilíbrio entre essas bactérias é chamado de disbiose e está associado ao comprometimento da barreira intestinal. Assim, inúmeras partículas podem passar para circulação e impactar negativamente nossa saúde. Essas alterações normalmente decorrem da presença de alguma doença intestinal, alimentação inadequada (excesso de gorduras saturadas, gorduras trans, álcool, baixo consumo de fibras, entre outros), fumo, medicamentos, estresse, etc. A presença dessas partículas são reconhecidas por células do sistema imune e podem desencadear gatilhos nocivos a esse sistema. Ou seja: manter a estrutura do nosso intestino saudável, assim como o balanço entre as bactérias ali presentes, auxilia o sistema de defesa!

Dentre os sintomas da disbiose, estão: náuseas, gases, distensão abdominal, queda de cabelo, unhas fracas, irregularidade intestinal (períodos alternados de diarreia e prisão de ventre), fezes mal-formadas, dores de cabeça e outros. Converse com seu médico e/ou nutricionista em caso de queixas e dúvidas.

Seguem algumas dicas de como manter a saúde intestinal:

  • Mantenha uma alimentação saudável, a base de #comidadeverdade e baixo consumo de alimentos ultraprocessados;
  • Consuma alimentos ricos em fibras, como cereais integrais, feijões, frutas, verduras e legumes. Alimentos ricos em fibras prebióticas, como chicória, alho, cebola, chuchu, biomassa de banana verde, entre outros, são bem vindos por nutrirem as boas bactérias do intestino;
  • O uso de alimentos fermentados como iogurtes, coalhada, kefir, kombuchá, ajudam no equilíbrio da microbiota intestinal. Eles possuem bactérias benéficas (probióticos). Em alguns casos, suplementos podem ser indicados;
  • Beba água e mantenha boa hidratação;
  • Prefira alimentos fontes em gorduras mono e polinsaturadas, as chamadas gorduras saudáveis, como azeite de oliva, castanhas, abacate, peixes… ao invés de fontes em gorduras saturadas e trans;
  • Evite o consumo abusivo de álcool;
  • Pratique exercícios regularmente. Estudos também mostram os efeitos benéficos da atividade física sobre o equilíbrio do intestino.

Destaca-se ainda que, a saúde intestinal tem relação com o controle glicêmico (exatamente pela relação intestino – sistemas endócrino e imunológico). Diversas pesquisas buscam e explicam essa relação e, por isso, vale ainda mais caprichar na boa alimentação, na prática regular de exercícios, gerenciamento de estresse, higiene do sono e outros fatores associados ao autocuidado que, sem dúvidas, beneficia a saúde intestinal.

Referências:

1. Lei YM, Nair L, Alegre ML. The interplay between the intestinal microbiota and the immune system. Clin Res Hepatol Gastroenterol. 2015 Feb;39(1):9-19.

2. Keim NL, Martin RJ. Dietary whole grain–microbiota interactions: Insights into mechanisms for human health. Adv. Nutr. 2014, 5, 556–557

3. Brial F, Le Lay A, Dumas ME, Gauguier D. Implication of gut microbiota metabolites in cardiovascular and metabolic diseases. Cell Mol. Life Sci. 2018, 75, 3977–3990.

4. Sircana A, Framarin L, Leone N, Berrutti M, Castellino F, Parente R, et al. Altered Gut Microbiota in Type 2 Diabetes: Just a Coincidence? Curr. Diab. Rep. 2018, 18, 98.

5. Silke C, Marie-Christine, S. Microbial Regulation of Glucose Metabolism and Insulin Resistance. Genes 2018, 9, 10.

6. Lambeth SM, Carson T, Lowe J, Ramaraj T, Leff JW, Luo L, et al. Composition, Diversity and Abundance of Gut Microbiome in Prediabetes and Type 2 Diabetes. J. Diabetes Obes. 2015, 2, 1–7.

Dr. João Felipe Mota
  • Nutricionista e membro de Departamento de Nutrição da SBD.
  • Pós-doutorado pela University of Alberta, Human Nutrition Research Unit.
  • Doutor em Ciências (UNIFESP), Mestre em Patologia (UNESP).
  • Professor Associado da Universidade Federal de Goiás e Coordenador do Laboratório de Investigação em Nutrição Clínica e Esportiva (LABINCE) da UFG.

 

Dra. Maristela Strufaldi
  • Nutricionista e Vice Coordenadora do Departamento de Nutrição da SBD (gestão 2020 – 2021).
  • Mestre em Ciências (EPM/UNIFESP), Educadora em Diabetes (IDF-SACA/ADJ/SBD) e membro da Equipe Interdisciplinar do Projeto Educando Educadores (IDF-SACA/ADJ/SBD).